' **Blog da Motor&Girl**: SUICÍDIO: A MORTE É O FIM DA DOR? expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
" Se tens amigos,visita-os sempre,pois existem ervas daninhas,que tomam conta de caminhos,por onde ninguém passa..." Gostou do Blog? Comente se quiser: marilenegsm@yahoo.com.br bjussss

Digite aqui o que procura...

sábado, 14 de novembro de 2015

SUICÍDIO: A MORTE É O FIM DA DOR?



Sempre fui muito sensitiva. Algumas pessoas já me disseram que conversando comigo, ouvindo minhas palavras e me olhando nos olhos, que já sentiram arrepios. Eu tenho visões que acontecem com o tempo, então entre várias, uma que tive me deixou meio pensativa. Alguém em cima de um palco montado não sei onde, queria me apresentar à algumas pessoas. Subi três degraus naquele palco, segurando em minhas mãos duas crianças, que aparentavam ser gêmeos. Como sabem, Deus não me abençoou com essa graça.... Mas uma mulher que estava à frente do palco me acolheu, muito sorridente e eu muito surpresa, ao olhar para frente, vi uma multidão enorme me aguardando falar de Jesus para eles. Achei interessante aquela mulher, seu tamanho e fisionomia. Na minha visão, era um pastora de alguma igreja que não identifiquei. Muitas vezes andando na rua, minha mente está vendo coisas de um outro mundo, como um filme numa tela. Nunca me dei conta daquilo que via, até o dia que comecei a me importar  e percebi que não era tão normal assim. Mas digo a vocês queridos leitores, acreditem ou não, estou pasma! Eu conheci a mulher da visão que tive e espantem-se também, o local, foi bem aqui na terra, na minha cidade, no velório da sua menina de 25 anos de idade, que infelizmente suicidou em  07 de Novembro de 2015.

Queridos leitores, o assunto de hoje é muito triste.  Fiquei pensando se postaria ou não essa mensagem, tamanha tristeza que tive ao ver aquela menina inerte naquele caixão. Mas quem sabe às vezes ajuda alguém né?
Queria falar com você da morte, da separação do mundo espiritual, do mundo terreno...
Mas não quero falar de uma morte qualquer, não da morte encomendada, da morte acidental, da morte puerperal, daquela por covardia, crueldade, não da morte por acerto de contas, nem da que é natural.
Queria falar de uma morte única, daquela que alguém opta quando ninguém mais é suficiente para arrebatar a dor que tem dentro do coração. Que acredita que ninguém mais se importa com sua vida... Daquela quando ninguém mais consegue ajudar a superar os problemas... Ou quando não se consegue receber a força dos que estão ao nosso lado, da energia que emana dos corações sinceros dos amigos... Da que surge o desejo, mesmo tendo todo o amor do mundo de uma boa família... Aquela morte que vem quando tudo sufoca, quando tudo incomoda, quando tudo fica insuportável... Daquele momento onde se olha para o lado e se pensa: Não vou fazer falta pra ninguém... Vou acabar com isso de uma vez... Dias atrás, falei sobre a depressão... Daqueles momentos que não se consegue viver com os pensamentos que se tem. Que não consegue controlá-los, desafiá-los, fazer com que evaporem... Então como num sopro perece a vida, como quem recebeu um empurrão ela se foi e não conseguiu voltar...

Tirar a própria vida, é mostrar que não conseguiu superar tudo que veio, que as tentativas foram os pedidos de socorro e os sinais deixados, foram simples iscas,  para que quando chegasse no fim do labirinto, dali ainda conseguisse voltar, ou que sobrasse quem sabe a esperança de alguém a nos encontrar.... 

Queridos, é preciso urgentemente ter olhos para ver os doentes de alma, os que possuem aflição doída e desesperadora no peito, olhos para ver os que se deixam corroer pelos vermes da vida, que seguram seus problemas e não os deixam passar: É meu problema, é minha vida, é minha morte!!!
Por favor, se você leitor puder falar algo de agradável pra alguém hoje, faça, pode ser que aquele seja o último dia daquela pessoa... Não deixe de amar... As pessoas se juntam pra estar nos bares, nas festas, nos clubes, mas muitas vezes, mesmo na multidão, estão longe dos outros, estão ausentes das vidas delas, mesmo juntos...
Meu Deus, eu vi nos olhos daqueles pais, tudo ficando tão vazio, tão desesperador, tão morte.... Tudo ficou já desde a madrugada sem sentido e sem esperança... Não há porque continuar.... Pra que continuar? A morte é o fim da dor? É o fim da angustia? Fim dos problemas que dilaceram nosso peito?
Porque continuar, se o meu problema ninguém entende, talvez ela se perguntasse... Se minha vida se desvai dia a pós dia e ninguém consegue me ajudar, nem me olhar nos olhos e arrancar a minha dor... Qual o sentido da vida? Do amor? Alguém aí sabe o que é amar? Você que lê sabe??? Já passou por um desespero a esse ponto de achar que tudo terminou e que o melhor remédio é morrer? Eu já!
Pra que tanto enfado? Tanto esforço, pra chegar e continuar na caminhada e no fim não encontrar nada?  Muitos jovens de hoje, têm tenho tudo o que querem queridos, mas a verdade é que não têm a vida que anseiam....
Talvez ela pensasse: Tudo andará às mil maravilhas comigo... Mas algo a intercalou no meio do caminho e a corroeu por dentro, que nem pai e nem mãe conseguiram retirar aquilo que se instalou ali... Mas porque se interromper, se uma boa parte de tentativas se fizeram concretas? Porque parar simplesmente por achar que não há mais jeito?
Procurar um canto pra chorar resolve? Não!!!! Não, porque nosso erro é encontrar respostas nas pessoas que não respondem nem por suas próprias vidas!!! Então a gente entra em conflito com nosso espírito e o submete a cada dia a opiniões de pessoas físicas e ele não aceita. O que é espírito, requer o que é espiritual. Senão um reprime e sufoca o outro... 
Transtornos mentais, os desvios constantes de pensamento, as alterações de humor, dificuldades financeiras, profissionais, dificuldades sexuais, a falta de se ajustar em algum ambiente, as separações, tudo é bem significativo neste momento... Uma vírgula é... Nada se deve ao final, mais como tudo iniciou...

Suicídio é um protesto gente!!! Protesto de não querer viver no mundo que a gente vive. Protesto em dizer: Ei, eu não consegui me ajustar por aqui, me perdoa... 
Sabe, várias conotações pelo mundo, mostram como lidam com o suicídio, umas são mesmo de se assustar, tamanha ignorância que as rodeiam. Praga de algumas culturas incutidas nas mentes das pessoas.
Nas religiões abraâmicas, seus adeptos consideram que a pratica do suicídio ofende a Deus, pois sua crença é a santidade da vida. Na religião hindu, a viúva se auto imola na pia funerária do marido, de uma forma voluntária ou porque há pressão das famílias ou das leis do país. Interessante que na era dos samurais um ritual chamado seppuku, expiava o fracasso, no qual enfiavam uma espada em si mesmos. Na época dos Kamikaze, os atentados suicidas eram usados para as táticas militares ou terroristas.  
As religiões por serem ou tentarem comandar o reino espiritual, cada uma à sua maneira tentam definir como é o lado de lá. Eu sinceramente penso depois de tantas idas e vindas que aqueles que pregam o suicídio a um estranho, com relação ao fim da sua alma, mudam a história quando a relatam a um querido amigo... Se é que você me entende...
Meu pensamento voou quando começaram a cantar uma música lindíssima... Então meu coração desabou e eu pensei, como superar isso??? Cantavam:


"Se o sol se pôr e a noite chegar, tu és, quem me guia.... Se a tempestade me alcançar tu és, meu abrigo... Se o mar me submergir a tua mão, me traz à tona pra respirar, e me faz andar sobre as águas..."

Enquanto cantavam eu lá no fundo da igreja, via aquela jovem lá na frente inerte naquele caixão. Cabelos bonitos, bem tratados, pele bem cuidada, piercing no nariz, linda jovem de 25 anos!!! Na flor da idade. Uma flor querida que murchou tão cedo, tão bela e agora sem vida... Porque? Qual a imensidão desse problema? Dessa angustia que ninguém a conseguiu livrar? 
Penso e  respondo que o maior problema, é aquele que está vivo em nossa memória! Aquele que a gente diz não conseguir resolver, aquele que cada dia tira nosso sossego, que empurra pra fora aos pontapés as nossas lágrimas... 
Que ressalta nossa pupila e nossa vontade de beber para esquecer, de  nos drogarmos para não conviver, de sumirmos para não mais nos encontrar...
Ninguém vai nos falar em como conviver lá fora, dos perigos que encontraremos, das situações que enfrentaremos... Ninguém nos fala em como nos livrar disso ou daquilo com precisão, porque o que fala comigo, no que me aconselha, não serve nem pra quem me aconselhou não é mesmo??? 
E o pior, não adianta trocar de casa, de cidade, de faculdade, de relacionamento, pois aquele problema vai nos acompanhar, nos perseguir onde quer que formos e no fim tudo será um círculo, será igual e chegará no mesmo lugar de antes, sabe porque??? Porque está dentro de nós!!! Nosso maior inimigo, reside aqui dentro... 
Quantos que em suas memórias levam milhões de desassossegos, de desesperos, de legiões? 
Não há fórmulas encantadas para esquecer, desculpe-me. Mas então quem arrancará aquilo que está dentro de mim? Os Psicólogos? Os remédios? Terapias? Igreja? Grupos especializados? Religiosidade? Oração.???
Então me diga, quantas vezes através disso, conseguiu esquecer? E mesmo assim sem conseguir, aconselhou os outros dizendo ser o melhor caminho? 
A tempestade interior é muito grande, o mar sobre nós é pesado. E não tem esse nem aquele, que não sofra pressões.
A gente se sente sufocado, dia após dia, como se estivesse se afogando. Tudo é ruim, o tempo, o vento, o convívio.... A gente espera mais um dia pra ver se melhora, dois dias, uma semana pra ver se passa... E então quando não se vê mudança, resolve-se praticar o esporte de flecha ao alvo: Fazer o próprio tempo, as próprias escolhas, os próprios momentos... 
Só se erra em uma coisa: Pensar! Refletir! Depois de tudo isso, onde vou estar??? Com quem estarei??? Se não gostar posso voltar??? Alguém vai me tirar de lá???
Pensem antes queridos leitores, pois há coisas que não voltam....
Amigos a gente refaz, igreja a gente deixa de frequentar ou vai pra outro lugar... Faculdade a gente troca, endereço a gente muda, amor a gente... (...) Sei lá.

Ao vê-la tão jovem, tão fria, mas tão linda,  lembrei de mim,  do dia que também achei  que era chegado meu fim, por tudo que havia vivido. Fui em direção ao morro do cruzeiro para me jogar de lá, com moto e tudo... Falo verdade. Talvez por ter sobrevivido, posso te ajudar também a nunca querer fazer isso...
Lembrei que nesse dia, no meio do caminho encontrei com uma amiga, que não via a muitos anos e senti vontade de parar com  ela para conversar. Ali me distraí acredita? Ela desviou meus pensamentos, salvou a minha vida. 
Eu sei o que é estar na pele de quem quer suicidar. Ninguém comporta nossa dor, não há nada que te faça mudar de ideia, sinto muito em dizer isso. Mas posso te dizer algo pra te ajudar: Conviva com pessoas ou com alguém que goste de oração e que tenha contato com Deus, porque aí sim é certo! Não significa que quem vive dentro de igreja é esse tipo de pessoa, se é que me entende...
Alguém orando por você, no seu desespero, Deus pode enviar anjos pra te ajudar, mas só isso não é suficiente, se nas mãos do Anjo do Senhor você não quiser segurar quando ele chegar...
Depois disso a gente volta pra casa. Muitas vezes nosso problema se reside ali, em situações que vieram crescendo com o tempo e enquanto ninguém ligava, só a gente se importava... E como não importar? Como deixar pra lá? Você sabe me dizer? Eu sei: A palavra é ignorar!!! Ignore muita coisa!!! Mas viva!!!
Ninguém nos ensina a viver, nem pai, nem mãe!!! Desculpe-me, mas nem sempre os beijos curam, nem sempre os abraços confortam, nem sempre as palavras ajudam...
É difícil viver, é difícil prevalecer, é difícil sempre enxergar lá na frente, estar apto a competir e ser o vencedor. Nada é fácil, então precisamos romper, romper o casulo que nos segura, mas tudo tem o momento certo e se neste momento você precisar ficar mais um pouco dentro dele, fique! Não tenha pressa, mas avise aos outros que esse é seu momento para que não corra o risco de ser esquecido e morrer na mente de alguém que diz que te ama e te quer bem!!! Ok?

A mãe da garota que suicidou não é só Pastora, é Bispa, de uma igreja centenária, muito respeitada. Que visão foi essa? Não sei. Um dia saberei com certeza!!!


Pra você um grande beijo, fica com Deus e até a próxima!!!